29 novembro 2008

18 novembro 2008

# 293



Cá dentro as portas fecham-se

Lá fora as portas abriam-se...


A luz está mais brilhante, mais forte.
Já não sinto o peso do meu corpo.
Paira no ar um cheiro a morte
que mata o meu sorriso morto.
Gelam-se-me as mãos frias
pelo sangue que se escorre
nas demais curvas vadias
deste meu corpo que morre.
Ouço as portas a baterem,
com força a se encerrarem.
Estilhaços dos que não querem
ver meus olhos a se fecharem.
Segreda-me junto ao ouvido
se é tua vontade veres-me ficar.
Se não, deixa ficar esquecido
o cadáver que morre até se findar.

Tytta

In: Luso Poemas

02 novembro 2008