24 setembro 2008

# 282 - António Lobo Antunes

"Eu quero morrer no mar"

Olha os meus olhos morena
Porque a aventura é ficar
Se a minha terra é pequena
Eu quero morrer no mar.

Lençóis de algas e peixes
De barcos a menear
No dia em que tu me deixes
Eu quero morrer no mar.

E se o negro é a tua cor
Respirando devagar
Depois de amor meu amor
Que quero morrer no mar.
António Lobo Antunes

7 comentários:

Paula Raposo disse...

As fotos continuam sendo boas! Quando se junta um poema é a maravilha! Digo eu. Beijos.

Oris disse...

Não conhecia esta poesia de ALA, que acho muito bonita.

Andei a cuscar as fotos desta casa e achei-as espectaculares...
Deu para me sentir envergonhada...rsrsrs

Também encontrei a da casa esquisita...

Agradeço a visita ao meu humilde espaço e o comentário deixado.

Como gosto muito de fotografia já o adicionei (espero que não se importe) para poder ver o que vai postando.

Continuação de bom fim-de-semana.

JOSÉ NEVES disse...

Um poema lindíssimo do António Lobo Antunes e a acompanhar uma imagem de um local que parece um verdadeiro paraíso.

Onde se situa?

Grande abraço com amizade.

Vitor Lopes disse...

Paula Obrigado pela visita


Oris não deves ficar envergonhada.


José o local é uma escola de surf na Lagoa da Foz de Arelho, que para além de escola tem um barzinho muito acolhedor.

Anónimo disse...

Depois de ler tudo isto não há nada a comentar. As palavras quebrariam a poesia.
Bjs

mara disse...

Nossa que casinha mais aconchegante, quando eu ficar bem velhinha quero morar numa casinha destas
bjs

Manuela Soares disse...

Amigo, todas as fotos são simplesmente maravilhosas! nesta deixo meu comentário pq por aki me encontro alguns dias à beira Lagoa, de onde o mar se avista,o sol se despede prometendo regressar, a lua se entrega à calmia destas águas...
Parabéns! Gostei muito!
Bjnho